10 a 28/12 – 14ª edição “Retrospectiva do Cinema Brasileiro” no CineSesc (SP/SP)

O Cine Sesc São Paulo, promove a 14ª edição “Retrospectiva do Cinema Brasileiro”.
Na mostra, que conta com 112 longas-metragens, será possível assistir aos sucessos de bilheteria, ficções, documentários e filmes infantis. Uma oportunidade ímpar para os espectadores verem e reverem a produção cinematográfica nacional lançada no último ano.
Nós, da Agenda Feminista, destacamos abaixo alguns filmes participantes da retrospectiva, como sugestão:

28/12 às 21h – Flores Raras

flores raras

(Direção Bruno Barreto. Brasil, 2013, 118’)
Com Glória Pires, Miranda Otto, Tracy Middendorf, Marcello Airoldi.
Na Nova York de 1951, Elizabeth Bishop é uma poetisa insegura e tímida que apenas se sente à vontade ao narrar seus versos para o amigo Robert Lowell. Em busca de algo que a motive, ela resolve partir para o Rio de Janeiro e passar uns dias na casa de uma colega de faculdade, Mary, que vive com a arquiteta brasileira Lota de Macedo Soares em Petrópolis. A princípio, Elizabeth e Lota não se dão bem, mas logo se apaixonam uma pela outra. É o início de um romance acompanhado bem de perto por Mary, que aceita a proposta de Lota para que adotem uma filha. O relacionamento entre as três, no entanto, será turbulento. Selecionado para o Festival de Berlim.
Ingressos:  R$ 2,00  R$ 5,00 R$ 10,00

27/12 às 15h: Fora do Figurino – As medidas do jeitinho brasileiro

fora-do-figurino

(Direção Paulo Pélico. Brasil, 2013, 73’. Documentário)
Nunca houve um levantamento antropométrico capaz de apontar as medidas brasileiras médias, ao contrário de países desenvolvidos. Diversos segmentos da indústria brasileira não têm outra opção senão empregar tabelas estrangeiras de medidas e apresentam dificuldades de adaptação com enormes prejuízos econômicos, problemas de saúde pública e mesmo de competitividade econômica para o país. As numerosas e frustradas tentativas de se resolver a questão na base do improviso levaram a resultados que ficaram entre o cômico e o constrangedor. A partir desse ponto de partido, o filme analisa o chamado “jeitinho brasileiro”, que parece nos distinguir como povo e fortalecer o orgulho nacional, mas é repetidamente apontado por nós mesmos como a causa de velhos problemas do país.
Ingressos:  R$ 2,00  R$ 5,00 R$ 10,00

26/12 às 17h: Hijab – Mulheres de véu

HIJAB 01

(Direção Paulo Halm. Brasil, 2013, 78’. Documentário)
Patrícia, Zahreen, Jamile, Maria, Jamila e Marcela são mulheres cariocas que adotaram o islamismo como religião e passaram a usar o hijab, tradicional véu que cobre os cabelos das mulheres muçulmanas. Entre as seis mulheres, só uma é descendente de palestinos e, como tal, apresenta um background propício ao islamismo. As demais aproximaram-se da mesquita por razões diversas: um curso de árabe, um interesse pela cultura dos países islâmicos, etc. Em alguns casos, isso as levou a enfrentar a oposição da família, que professava outra fé ou nenhuma. O filme dialoga com essas mulheres e mostra as consequências dessa opção religiosa na relação com suas famílias, na escola, no trabalho, num momento em que o preconceito contra os muçulmanos é crescente.

Ingressos:  R$ 2,00  R$ 5,00 R$ 10,00

23/12 às 17: Raça

Raca Miuda

(Direção Joel Zito Araújo e Megan Mylan. Brasil, 2012, 106’. Documentário)
O filme conta a história de três pessoas na linha de frente da batalha contemporânea pela igualdade, em um país que se orgulha de ser exemplo de democracia racial. Entre eles, o esforço do Senador Paulo Paim para sancionar a lei do Estatuto da Igualdade Racial no Congresso Nacional, em Brasília. Ele é autor do projeto original, que demorou quase uma década para ser aprovado. O documentário também apresenta a luta de Miúda dos Santos – neta de africanos escravizados e ativista quilombola – pela posse das terras e pelo respeito às tradições ancestrais da Comunidade Quilombola de Linharinho, no Espírito Santo. E Netinho de Paula – cantor, apresentador e empresário – durante todo o processo de criação e tentativa de consolidação de um canal de televisão formado majoritariamente por profissionais negros.

Ingressos:  R$ 2,00  R$ 5,00 R$ 10,00

22/12 às 21: Elena

elena

(Direção Petra Costa. Brasil, 2012, 80’. Documentário)
Elena viaja para Nova York com o mesmo sonho da mãe: ser atriz de cinema. Deixa para trás uma infância passada na clandestinidade dos anos de ditadura militar e deixa Petra, a irmã de 7 anos. Duas décadas mais tarde, Petra também se torna atriz e embarca para Nova York em busca de Elena. Tem apenas pistas: filmes caseiros, recortes de jornal, diários e cartas. A todo momento Petra espera encontrar Elena caminhando pelas ruas com uma blusa de seda. Pega o trem que Elena pegou, bate na porta de seus amigos, percorre seus caminhos e acaba descobrindo Elena em um lugar inesperado. Aos poucos, os traços das duas irmãs se confundem, já não se sabe quem é uma, quem é a outra. A mãe pressente. Petra decifra. Agora que finalmente encontrou Elena, Petra precisa deixá-la partir.

Ingressos:  R$ 2,00  R$ 5,00 R$ 10,00

21/12 às 17h: O Renascimento do Parto

o-Renascimento parto

(Direção Eduardo Chauvet. Brasil, 2013, 91’. Documentário)
Um retrato da grave realidade obstétrica mundial e sobretudo brasileira, que se caracteriza por um número alarmante de cesarianas ou de partos com intervenções traumáticas e desnecessárias, em contraponto com o que é sabido e recomendado hoje pela ciência. Tal situação apresenta sérias consequências perinatais, psicológicas, sociais, antropológicas e financeiras. Através dos relatos de alguns dos maiores especialistas na área e das mais recentes descobertas científicas, questiona-se o modelo obstétrico atual, promove-se uma reflexão acerca do novo paradigma do século XXI e sobre o futuro de uma civilização nascida sem os chamados “hormônios do amor”, liberados apenas em condições específicas de trabalho de parto.

Ingressos:  R$ 2,00  R$ 5,00 R$ 10,00

20/12 às 19h: Mulheres Africanas –
A Rede invisível

Mulheres-Africanas-9

(Direção Carlos Nascimbeni. Brasil, 2012, 80’. Documentário)
Projetadas mundialmente e participantes dos principais núcleos de discussão e decisão em seus países e também em organismos internacionais, cinco mulheres são mostradas como sustentáculo da organização política, econômica, comunitária e cultural africana por meio da narrativa da atriz Zezé Motta. A moçambicana Graça Machel, ativista política e esposa de Nelson Mandela, a liberiana Leymah Gbowee, vencedora do Prêmio Nobel da Paz em 2011, a tanzaniana Mama Sara Masari, a empresária Luisa Diogo, ex-primeira-ministra de Moçambique, e a sul-africana Nadine Gordiner, vencedora do Prêmio Nobel de Literatura em 1991, contam suas histórias comoventes e envolvem o espectador em uma profunda reflexão da vida e da atuação da mulher no continente.

Ingressos:  R$ 2,00  R$ 5,00 R$ 10,00

17/12 às 21h: Kátiakatia goo3

(Direção Karla Holanda. Brasil, 2012, 74’. Documentário)
A história da primeira transexual eleita para um cargo político no Brasil. Além de mostrar como José se transformou em Kátia Tapety, o filme nos apresenta a trajetória política da travesti piauiense que lidou com o preconceito do pai na infância, mas hoje é respeitada em seu município, localizado numa das regiões mais religiosas e conservadoras do estado. Ela foi a vereadora mais votada de seu município por três vezes consecutivas e chegou à vice-prefeitura da cidade de Colônia do Piauí, entre 2004 e 2008. Além disso, foi casada por mais de 20 anos com um homem e é mãe de três filhos. A equipe acompanhou Kátia em sua rotina pessoal e de trabalho durante 20 dias. O filme participou da competição de documentários do Festival de Brasília.

Ingressos:  R$ 2,00  R$ 5,00 R$ 10,00

17/12 às 17h: Meu Amigo Claudia MEU-AMIGO-CLAUDIA 02

(Direção Dácio Pinheiro. Brasil, 2012. 85’. Documentário)
O documentário traça a trajetória da ativista, atriz, cantora e travesti Claudia Wonder, grande agitadora cultural da cidade de São Paulo. Através de depoimentos e material de época acompanhamos a trajetória de Claudia e, em paralelo, a história do país nos últimos 30 anos. O filme apresenta uma série de relatos de personagens marcantes, como Zé Celso Martinez Corrêa.

Ingressos:  R$ 2,00  R$ 5,00 R$ 10,00

15/12 às 15h: Clementina de Jesus – Rainha QueléCLEMENTINA-DE-JESUS 01

(Direção Werinton Kermes. Brasil, 2012, 56’. Documentário)
Documentário com material de arquivo e depoimentos ,  sobre a cantora Clementina de Jesus que dividiu o palco com Cartola, Paulinho da Viola, João Bosco, Alceu Valença, Pixinguinha e muitos outros. Neta de escravos, trabalhou por 20 anos como empregada doméstica e foi descoberta pelo poeta Herminio Bello de Carvalho, iniciando sua carreira artística aos 63 anos. Muito apreciada pelos artistas e a crítica, não foi -injustamente – grande sucesso em vendas de discos, mas um talento inconfundível.

Ingressos:  R$ 2,00  R$ 5,00 R$ 10,00

17/12 às 17h: Rânia

rania

(Direção Roberta Marques. Brasil, 2012, 85’)
Com Graziela Felix, Nataly Rocha, Mariana Lima, Paulo José.
Rânia é uma menina que vive em Fortaleza, no morro Santa Terezinha. Ela ajuda sua mãe com os afazeres domésticos, estuda numa escola municipal, trabalha numa barraca no Mucuripe e sonha em ser bailarina. Sua amiga inseparável, Zizi, a introduz no Sereia da Noite, local de boemia, onde a dança, a orgia e o dinheiro se combinam, confundem e agitam a madrugada. Quando conhece a coreógrafa Estela, Rânia se vê dividida entre a farra e a disciplina da dança, entre a facilidade de ganhar dinheiro na noite e o sonho de dançar e ser artista. Ela vai seguindo seus próprios passos dia após dia, vivenciando um acúmulo de interferências, misturas e possibilidades.

Ingressos:  R$ 2,00  R$ 5,00 R$ 10,00

14/12 às 21h: O Som ao Redor O-SOM-AO-REDOR-!

(Direção Kleber Mendonça Filho. Brasil, 2012, 131’)
Com Gustavo Jahn, Irandhir Santos, Maeve Jinkings, W.J. Solha.
O filme faz o retrato da vida numa rua de classe média da zona sul do Recife.  Bia, casada e mãe de duas crianças, precisa achar uma maneira de lidar com os latidos constantes do cão de seu vizinho. João, um corretor de imóveis, começa um namoro com Sofia, que já morou naquela mesma rua quando criança. Ele é neto de Francisco, dono de vários dos prédios da região e também de fazendas no interior do estado. As coisas tomam um rumo inesperado com a chegada de Clodoaldo e sua equipe, uma milícia que oferece a paz de espírito da segurança particular. A presença desses homens traz tranquilidade para alguns e tensão para outros. Melhor filme no Festival do Rio 2012 e melhor direção, som e filme pela crítica e pelo público no Festival de Gramado 2012.

Ingressos:  R$ 2,00  R$ 5,00 R$ 10,00

14/12 às 17h: As Hiper Mulheres

as-hipermulheres

(Direção Carlos Fausto, Leonardo Sette e Takumã Kuikuro. Brasil, 2011, 80’. Documentário)
Temendo a morte da esposa idosa, um velho índio pede que seu sobrinho realize o Jamurikumalu, o maior ritual feminino do Alto Xingu, no Mato Grosso, para que ela possa cantar uma última vez. As mulheres do grupo começam os ensaios, enquanto a única cantora que de fato sabe todas as músicas se encontra gravemente doente. Documentário etnográfico sobre uma tribo indígena que parece viver numa época diferente da atual, é todo falado em dialeto local. Vencedor do Grande Prêmio do Júri e do Kikito de melhor montagem no Festival de Gramado.

Ingressos:  R$ 2,00  R$ 5,00 R$ 10,00

13/12 às 19h: Doméstica

DomeÌ stica -Divulgacao-Desvia-(3)
(Direção Gabriel Mascaro. Brasil,l 2012, 76’. Documentário)
Sete adolescentes assumem a missão de registrar, por uma semana, a sua empregada doméstica e entregar o material bruto para o diretor realizar um filme com essas imagens. O material foi todo captado por jovens de idades entre 15 e 17 anos, filhos dos patrões. A multiplicidade dos retratados contempla o amplo espectro social do país. Vemos desde uma tradicional família de classe média alta até a empregada de uma empregada, moradora de uma favela. Vemos também o raríssimo caso de um homem que assumiu sem pudores a tarefa de empregado doméstico. Entre o choque de intimidade, as relações de poder e a performance do cotidiano, o filme lança um olhar sobre o trabalho doméstico no ambiente familiar, transformando-se em um ensaio sobre afeto e trabalho.
Ingressos:  R$ 2,00  R$ 5,00 R$ 10,00

11/12 às 19h: Colegascolegas

(Direção Marcelo Galvão. Brasil, Argentina, 2012, 99’)
Com Ariel Goldenberg, Rita Pokk, Breno Viola , Lima Duarte e outros.
Stalone, Aninha e Márcio são três jovens com síndrome de Down que se comunicam basicamente através de frases célebres do cinema. O código é resultado dos anos em que trabalharam na videoteca do Instituto Madre Tereza, local onde vivem. Um dia, inspirados pelo filme Thelma & Louise, o trio resolve fugir no carro velho do jardineiro em busca de seus sonhos: Stalone quer ver o mar, Márcio quer voar e Aninha busca um marido para se casar. Eles partem do interior de São Paulo rumo à Buenos Aires. Nessa viagem, enquanto experimentam o sabor da liberdade, envolvem-se em inúmeras aventuras e confusões como se a vida não passasse de uma eterna brincadeira. Melhor filme no Festival de Gramado 2012.

Ingressos:  R$ 2,00  R$ 5,00 R$ 10,00

11/12 às 17h: Segredos da Tribo

segredos-da-tribo

(Direção José Padilha. Brasil, 2012, 110’. Documentário)
O filme relata os primeiros estudos feitos por antropólogos com os índios ianomâmis, na parte venezuelana da Floresta Amazônica. Em 1960, estes pesquisadores teriam sido responsáveis por uma série de abusos sexuais, assassinatos e violações médicas com a população indígena da região.

Ingressos:  R$ 2,00  R$ 5,00 R$ 10,00

10/12 às Olhe pra Mim de Novoolhe-pra-mim-de-novo

(Direção Kiko Goifman e Claudia Priscilla. Brasil, 2011, 77’. Documentário)
Syllvio Luccio atravessa os estados do Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba e Pernambuco. Pelo caminho, encontra uma família com doença genética, uma mãe que recorreu ao DNA para saber se seu filho – já com 33 anos – foi trocado na maternidade, uma família de albinos que vive na cidade de Missão Velha e é discriminada por sua cor etc. O ponto de partida é a pequena cidade de Pacatuba, no Ceará. Syllvio se define como alguém que “nasceu mulher, tornou-se lésbica e agora é homem”. Ele é um transexual masculino em fase de transformação no sertão brasileiro, uma região marcada pelo forte calor, pobreza e também pela cobrança de extrema virilidade do homem.

Ingressos:  R$ 2,00  R$ 5,00 R$ 10,00

10/12 às 15h: Muito Além do Peso

MUITO-ALEM-DO-PESO 01

(Direção Estela Renner. Brasil, 2012. 84’. Documentário)
Atualmente, um terço das crianças brasileiras sofre de obesidade acarretando problemas como depressão, diabetes e outras doenças. O documentário coloca a questão sem se restringir ao Brasil a partir de depoimentos de crianças  e entrevistas com pais, educadores, médicos, publicitários, governantes, alertando para a gravidade de uma situação que se agrava diariamente, num mundo cada vez mais informatizado.

Ingressos:  R$ 2,00  R$ 5,00 R$ 10,00

Todos os filmes serão exibidos no Cine Sesc, que fica localizado na R. Augusta, 2075 – Cerqueira César, São Paulo – SP, 01413-000 – (11) 3087-0500

Confira a programação completa:  http://www.sescsp.org.br/programacao/17971_RETROSPECTIVA+DO+CINEMA+BRASILEIRO#/content=programacao

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s