Afro Julho – Mulher Afro-latina Americana e Caribenha : Diálogos sobre mulheres negras

 

10373528_320141878144798_3304908934231787972_n

25 de Julho: dia da mulher afro-latina-americana e caribenha.
Em virtude desta data e de sua magnitude. A Terça Afro dedicará o mês para uma abertura de um espaço em que possamos compartilhar em conjunto com convidadas e o público, reflexões necessárias sobre o universo da mulher negra e como ela está situada nas relações sócio afetivas que a engloba em nossa sociedade.
O espaço está aberto e o convite feito, para mais momentos em que o diálogo e a reflexão circulam pelos círculos da Terça Afro.

Ballet Afro Koteban – Africana Womanism ou Mulher Negra na Diáspora, o que a África tem a ver com você?
A ideia desta roda de conversa é propor uma reflexão coletiva sobre o que é ser mulher negra hoje e o que nosso olhar sobre a África tem a nos dizer sobre isso. A proposta não é realizar um debate, mas um exercício de pensar junto. O que se espera é uma reflexão coletiva em voz alta, que nos ajude a entender melhor como os conceitos ocidentais de individualismo e a oposição entre masculino e feminino têm impactado e, muitas vezes, inviabilizado nossas relações entre homens negros e mulheres negras, por nos afastarem de um modo africano de ser. Nós mulheres, somos pessoas ou indivíduos? Que consequências o fato de as mulheres serem pensadas como indivíduos teria para nossa comunidade? O que nos foi ensinado sobre o homem negro? Como os homens negros aprenderam a pensar sobre nós? Em que medida conceitos racistas antigos operam em nossas relações hoje? É possível ser uma mulher negra no ocidente sem viver refém dos conceitos ocidentais? O que nós, mulheres negras educadas num contexto ocidental, temos a aprender com as mulheres africanas? Enquanto negras, qual a nossa referência para nos pensar como mulheres? Como dialogamos com o conceito de feminismo, considerando uma perspectiva histórica? O que significa ser mulher numa perspectiva africana? Afinal, o que significa dizer que somos africanas na Diáspora? Seria verdade que o modo de pensar afrocêntrico sobre a mulher não nos serve?
01/07, às 19 hrs, no CCJ

Valeria Alves – Raça, Gênero e Sexualidades Dimensionada
O mês de Julho será dedicado inteiramente à mulher negra no Terça Afro.
Em virtude disto, uma reflexão se fez altamente necessária: afinal, de que mulher negra estamos falando? E quais são as várias dimensões que à engloba ? Dentro desta perspectiva, o campo do gênero, afetividade e sexualidade são algumas das dimensões que desejamos trazer ao nosso encontro com Valéria Alves.
Buscaremos, desta forma, ampliar nosso olhar à respeito da mulher negra e em suas relações afetivas, sexualidade e como são englobadas as faces do racismo.

Mais uma vez, abertos para construirmos em conjunto um conhecimento fundamentado no compartilhamento de experiências através de um negro diálogo.
10/07, às 19hrs, no CCJ

Capulanas Cia de Arte Negra – Trajetórias e olhares

Qual é a relação da mulher negra com a dor? Elas são mais resistentes? Mais tolerantes?
Para chegarmos às tais respostas, se faz necessário pensarmos sobre a construção da imagem sócio-cultural da mulher negra aqui no Brasil e para nos ajudar nesta reflexão, as Capulanas veem nos trazer suas experiência que levaram à formulação da excelente peça Sangoma.
Convidamos ao público para compartilhar conosco de mais este encontro, no qual buscaremos refletir não apenas sobre esta construção, mas também sobre os males que ela gera à saúde mental, cultural e física; bem como também sobre as possibilidades possíveis de cura, que podem ser encontradas inclusive em nossa ancestralidade.
15/07, às 19hrs, no CCJ.

Louva-Deusas – Vozes em pretas poesias

Em Julho, o Terça Afro, terá a mulher negra como tema central de nossos diálogos e reflexões, aliás, algo nada incomum ao projeto que foi idealizado e iniciado a partir das ações de três jovens mulheres negras.
Pensando no processo de empoderamento, através especialmente da literatura e suas possibilidades de compartilhamentos de escritos que demonstram as subjetividades da mulher negra, convidaremos o Coletivo Louva-Deusas para, através do diálogo, compartilharem para conosco dos caminhos por quais se enveredaram até as publicações de coletâneas de literaturas femininas negras. E mais uma vez transformaremos a noite do CCJ, numa Terça Afro.
Dia 22/07, às 19hrs, no CCJ.

Mafoane Odara – Sobre a saúde do corpo negro
Quando paramos para refletirmos a respeito das condições de saúde da mulher negra no Brasil, nos deparamos com as seguintes interrogações:
Por que no Brasil os piores índices de condições de saúde são dadas as mulheres negras? Por que os índices de óbitos no parto são maiores entre as mulheres negras? Como que a construção de um racismo institucionalizado está numa íntima relação com estas interrogações? Quais impactos desta realidade sobre a saúde mental da mulher negra? Como é possível buscarmos maneiras de encararmos e realizar uma inversão para esta situação?
Para refletirmos sobre estas e outras questões o Terça Afro terá muito prazer em receber a psicóloga Mafoane Odara para dialogar e compartilhar conosco a respeito da saúde da mulher negra.
Dia 29/07, às 19hrs, no CCJ

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s